quinta-feira, 30 de junho de 2011

2003 - Los Hermanos - Ventura


Dia desses, uma amiga falou-me sobre disco que ouviu muito em determinada fase da vida e que apesar de gostar, achava que não seria capaz de escutá-lo novamente. Comentei que talvez, no futuro, uma ou duas faixas voltassem a fazer total sentido. Não sei se por força dessa conversa ou das circunstâncias, reencontrei-me com Ventura, primeiro álbum dos Los Hermanos a conquistar-me (e de maneira avassaladora, confesso). Lembro de ficar encantado com a mescla de rock com arranjos bem elaborados contando com metais, teclados, sintetizadores e cadências não tão óbvias.
Engraçado voltar a ouvir certas coisas seis anos depois. Algumas implicâncias continuam, ainda não consigo digerir "Cara Estranho", por exemplo. Por outro lado, devo ressaltar o lirismo do olhar de Camelo. Algumas letras tiveram fonte de inspiração em notícias de jornal (Conversa de Botas Batidas), televisão (O Vencedor) e outros discos. Se antes, o que mais chamava-me atenção era a forma quase ingênua, autêntica e cheia de suingue das canções do Amarante (coisa linda é a paixão na terceira idade narrada na faixa "Último Romance"), hoje o que me toca é a doce forma de encarar as durezas da vida e caminhar sonhando com sereno reencontro em que Camelo envolve-nos com "Além do que se vê".

01 - Samba a Dois
02 - O Vencedor
03 - Tá Bom
04 - Último Romance
05 - Do Sétimo Andar
06 - A Outra
07 - Cara Estranho
08 - O Velho e o Moço
09 - Além do que se vê
10 - O pouco que sobrou
11 - Conversa de Botas Batidas
12 - Deixa o Verão
13 - Do Lado de Dentro
14 - Um Par
15 - De Onde Vem a Calma


"é preciso força pra sonhar e perceber que a estrada vai além do que se vê"

9 comentários:

Renato Veríssimo disse...

também ouvi Los Hermanos por algum tempo quando era mais jovem. Acho interessante até hoje. E os considero um evento único na música brasileira. Sou guitarrista e acho extremamente interessante a forma como, tanto o Amarante quanto o Camelo, usavam as guitarras e as distorções. Sem contar nas harmonias riquíssimas de algumas música. Mas, ai já não me refiro mais ao "Ventura", mas ao "Quatro".

Obrigado, era o CD que faltava na minha coleção dos Los Herma.

Anônimo disse...

Los Hermanos não tem nem como não ser capaz de escutar novamente. É das bandas preferidas de sempre!

Mateus Amorim disse...

Por pura surpresa e coincidência, abro este blog e o primeiro disco que encontro é do Los Hermanos, o meu preferido. Esse disco é fantástico, encantador, fascinante, e temo um dia não conseguir ouvi-lo, algumas músicas marcaram muito. Ah, e como gosto de algo mais melancólico, ouço mais o albúm 4. Aprecie também!

Anônimo disse...

Los Hermanos.
Muitas histórias já foram contadas ao som deles.
Sabem o que fazem... poucos artistas têm essa sorte! ( alguns acham que sabem.. mas na verdade.. They don´t have the foggiest idea )

Fernanda disse...

Esse disco é perfeito! Não vou baixa-lo pois tenho em casa... :)

Uma Música Por Dia disse...

Que bom que geral curtiu!
Abraços a todos

Mirela Leme disse...

Vim procurar algo no seu blog e não encontrei, mas realmente me surpreendi pelo fato de você dar destaque às minhas duas músicas preferidas deles, Além do que Se Vê (que foi o primeiro nome do Blog da Pipi) e Retrato pra Iaiá.

Quando escrever, quero escrever sobre música como você!

Mirela Leme disse...

Opa, quis dizer "quando crescer, quero escrever...".

Romain d'Emoi disse...

Malheureusement, le lien sur lequel vous avez cliqué n'est pas disponible.