terça-feira, 19 de agosto de 2008

2008 - Alvaro Gribel


Em seu primeiro trabalho, o músico Alvaro Gribel nos remete a um rico universo recheado de bossa nova, samba e MPB. Excelentes músicas como "Agradeça o apreço", "Morena" e "Maria Luiza" (de arrepiar!) remetem a suas principais influências, tais como João Gilberto, Dorival Caymmi e Tom Jobim. Bom gosto em todo o trabalho, desde os arranjos até o encarte.
Considero-me um privilegiado por acompanhar o longo processo de formação do artista e produção deste disco... vi de perto os exóticos estudos de partituras durante aulas de macroeconomia (além de músico, Alvaro é jornalista econômico), também o vi passar em primeiro lugar na faculdade de música da UniRio. Depois vieram as primeiras composições, as primeiras incursões em estúdio, o duro processo de captação de recursos e o encontro dos parceiros musicais. Tanto caminho de chegar a um disco pensado em cada detalhe.
Desejo todo o sucesso e as mais belas canções para este grande artista e amigo.

01 - Adeus e é só
02 - Banho-Maria
03 - Para Sempre
04 - Gosto de Você
05 - Mais um samba
06 - Morena
07 - Agradeça o apreço
08 - Uma voz
09 - Maria Luiza
10 - Linda

PS1: Site oficial do Alvaro neste link e MySpace aqui!
PS2: Em breve sortearei o CD para os leitores do blog, então façam o cadastro para o sorteio via email (umamusicapordia@gmail.com) deixando nome e endereço para envio.

Um comentário:

Eduardo disse...

Sempre fui bastane sincero ao analisar a obra de alguem, isso ja me rendeu alguns contratempos divertidos e o singelo apelido de pela-saco, que cá pra nós, nunca me incomodou.

Estive perto de ouvir a musica de Alvaro pela primeira vez, la em casa,quando ele foi gravar um cd pra(se não me engano do Chico), pensei, la vem aquela merda pseudo intelectual que todo universitario gosta de defecar.
O disco ficou la no mesmo lugar por 1 mes. Afinal o cara era gente boa e tal, pra que jogar fora? Quando alguem me perguntava se eu tinha gostado, repetia: "coisa fina, muito bom, não desiste não fera!"

A verdade é que eu estava sem saco pra ouvir "mais do mesmo". E 90% "do mesmo" são amigos do cronista-blogueiro-critico musical deste espaço

Meses mais tarde, numa madrugada voltando de algum inferno, depois de algumas punhetas(só faço algo de relevante depois de esgotado o repertório), umas bebidas a mais, e uma sessão de autoflagelamento moral, resolvi ouvir o disco do pretensioso compositor.
"Porra...isso não é ruim, pensei. Passei pra proxima, boa tambem, mas chega por hoje, fui dormir."

No outro dia, intrigado, decidi ouvir com mais paciencia. Aí vem o inevitável, aquilo ta bom, isso não, mesmo que o pretensioso agora seja eu, porque o compositor realmente tinha valor.

Enfim. No começo eu ouvia o Alvaro como um compositor irregular. Mas via momentos de genialidade. Não estou exagerando...Achava que era alguem procurando seu tom, seu estilo. Fico feliz que ele tenha achado nesse disco, e recomendo pra qualquer um. Como musico não preciso citar suas qualidades, seria chover no molhado

De todos os "artistas" que eu conheci em Vitoria, o único em quem apostaria minhas fichas seria no Alvaro. Mas sei lá. Nem sempre aposto no cavalo certo, por isso me falta dinheiro até pro papel higienico